Esse é meu cantinho, local onde divulgo meus trabalhos, troco ideias sobre artes em geral, além de

CRIATIVIDADE!

“Criatividade é apenas o primeiro passo para que se possa inovar. Além de boas ideias, devemos reconhecer oportunidades para poder aplicá-las, solucionar problemas e obter demanda no mercado” Agni (ou Eduardo Santos): diretor de arte, professor e palestrante.

Tradutor

REFLITA:

"Experimente ter o costume de sorrir. Você não tem nada a perder." Dale Carnegie

Fazer o que gosta ou gostar do que faz?


Fazer o que gosta como forma de trabalho e de “ganhar a vida” é um dos maiores objetivos de qualquer pessoa. Desde a infância somos incentivados a buscar o que gostamos. Muitos gurus dizem que a pessoa só é feliz quando faz o que gosta. Uma das maiores fontes de infelicidade está em não fazer o se gosta de fazer.
Testes vocacionais buscam saber do que e com o que você gostava de brincar na infância para descobrir sua real vocação adulta. A premissa é que na infância você brinca com o que realmente gosta. Descobrindo essas atividades espontâneas infantis, psicólogos e pedagogos acreditam descobrir a real vocação de uma pessoa na idade adulta.
Há ainda os recorrentes depoimentos de pessoas que afirmam não sentir necessidade sequer de férias, dando como explicação o famoso “faço o que gosto”. Há ainda os que afirmam que “para mim o trabalho é um lazer porque faço o que gosto...”.
Psiquiatras, psicoterapeutas, psicólogos e até pedagogos aconselham as pessoas estressadas ou deprimidas a abandonar as “amarras da vida”, mudarem suas vidas e “fazer o que realmente gostam”.
Vejo, também, jovens que entram numa determinada faculdade e desistem no segundo semestre ou no segundo ano. A razão, segundo eles é “vi que não era o que eu gostava...”. E assim mudam de medicina para psicologia, de psicologia para publicidade, etc. Tudo em busca de “achar o que gosta”.
Assim, fazer o que gosta parece ser fundamental para o sucesso pessoal, profissional e empresarial.
É claro que “fazer o que gosta” é o ideal de todos nós. Trabalhar num campo, num setor, numa empresa onde “gostamos do que fazemos” é um grande fator de ausência de estresse e tensão. Portanto, o ideal será sempre conciliar o trabalho com aquilo que espontaneamente se gosta de fazer.
Porém, como sabemos, esse ideal nem sempre é atingível. Nem sempre é possível trabalhar no que “gostamos”. Nem sempre é possível fazer de nossa vocação original e intrínseca a nossa fonte de renda ou de emprego. Devemos, incessantemente, buscar esse ideal, mas num determinado momento de nossas vidas, chegamos à plena consciência e maturidade de que esse ideal não será facilmente atingido.
O tempo passou. Os compromissos se acumulam. Não podemos mais ficar pulando de galho em galho em busca do que simplesmente gostamos. Temos que “ganhar a vida”. Temos uma família para criar. Filhos na escola. Prestações da casa própria. O tempo está passando muito rapidamente....
É justamente essa fase que eu chamo de “maturidade plena”. É quando deixamos nossos “sonhos” que sabemos hoje, inatingíveis, e tomamos consciência do que realmente somos e do que realmente temos e poderemos ter – em condições de vida normal.
E é justamente essa maturidade que deve nos ensinar a gostar do que fazemos. Viver a vida toda em busca do “fazer o que gosta” pode nos desviar do prazer de “gostar do que fazemos”.
Uma pessoa realmente madura, mais do que buscar fazer o que gosta, aprende a gostar do faz. Aprende a ver na sua família, a sua família e a gostar dela como ela é. Aprende a ver na sua imagem, a sua verdadeira imagem e gostar dela como ela é. Aprende a ver o seu emprego como o seu emprego e a gostar dele e sentir prazer no trabalho. É um exercício de aprendizagem.
Aprendendo a gostar do que faz a pessoa começa a deixar de lado as eternas tensões de lutar contra o que faz. Ela aprende a enxergar o lado positivo do seu emprego, do seu trabalho, da sua profissão. Pessoas que vivem na busca incessante de fazer o que gostam, não se permitem enxergar o lado positivo do que fazem, do emprego em que estão, das coisas que possuem e até dos amigos com quem convivem. Estão o tempo todo em busca do que, muitas vezes, nem elas próprias sabem o que é. Elas sabem do que não gostam – e isso é quase tudo o que fazem – mas não sabe do que realmente gostam. E essa busca, muitas vezes, dura uma vida toda de insatisfação e não-realização.
É preciso aprender a gostar do que faz.
E que o leitor não pense que estou advogando a acomodação. Que estou defendendo a não-busca do ideal de fazer o que gosta. Que acredito na impossibilidade total de ganhar a vida fazendo o que se gosta de fazer. Pelo contrário. Advogo a busca do ideal de trabalhar, de fazer, de viver fazendo o que se gosta de fazer.
Mas insisto na consciência da realidade de que, num certo momento da vida é preciso gostar do que faz e buscar a felicidade na madura dedicação e comprometimento ao que se está fazendo.
Assim, acredito que o gosto pelo trabalho é também uma atitude mental. No momento em que eu aceitar o fato de que minha profissão é aquela; meu emprego é aquele; meus colegas são aqueles; posso desenvolver atitudes e comportamentos mais positivos em relação ao trabalho, à profissão e às pessoas.
Se sou médico ou professor e descubro aos 45 anos que “não era bem isso que eu queria ser”, é claro que posso jogar tudo para o alto, mudar de vida, de profissão, etc. Mas será muito mais maduro se eu aprender a gostar do que faço encontrando dentro da medicina ou do magistério o prazer, a satisfação que por certo essas profissões podem propiciar.
Mas para gostar do que faz é preciso querer gostar do que faz. É preciso dominar a vontade e a parte imatura de nosso ser que busca fugir da responsabilidade do enfrentamento da realidade e “queimar as naus” do passado ou do que achamos que “gostaríamos de fazer”.
Sei que muitos leitores não concordarão com o que estou dizendo. Sei que muitos leitores dirão que temos que buscar fazer o que gostamos até morrer. Que uma pessoa nunca deve deixar de buscar o ideal de fazer o que gosta. Concordo com o ideal dessa busca, com um ideal.
Mas, é preciso reconhecer, sem fantasias, que a vida, na prática, mostra que pessoas que aprenderam a gostar do que fazem acabaram descobrindo a felicidade e o sucesso de forma igualmente gratificante. Elas aprenderam a fazer do que fazem aquilo que gostam e não desperdiçarm a vida esperando o que gostam para fazer.
Pense nisso. Sucesso!
Por Marins
O Professor Marins é empresário nas áreas de consultoria, agribusiness, comunicação e marketing e turismo. Através da Anthropos Consulting - fundada em 1984 - presta consultoria às maiores empresas brasileiras. Seus livros são best sellers desde 1985 e suas fitas de vídeo nas áreas de gestão empresarial estão entre as mais vendidas do Brasil
professor@marins.com.br
Fazer o que gosta ou gostar do que faz?

visitantes no momento

visitante

Nunca desista dos seus sonhos, porque sem eles você continuará a existir,mas deixará de viver

REFLEXÃO

O que vale na vida não é o ponto de partida e sim a caminhada,caminhando e semeando,no fim terás o que colher. (Cora Coralina)

Momento de refletir:

As pessoas esquecerão o que você disse; as pessoas esquecerão o que você fez; mas elas nunca esquecerão como você as fez sentir!

Um Tour pelas fotos do Blog...!!!!!!!

Foto de kArol BrAndão

Foto de kArol BrAndão

Flores...

A beleza das flores está de mãos dadas com a poesia e a fragilidade das suas pétalas em harmonia com a força das palavras.

FRASE:

"Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar autor da própria história".

O Poder da visão está em se plantar sementes e sonhos no fértil solo da esperança.

Estações do ano

Estações do ano
Atividades dobradura, hidrocor,pintura a dedo e colagens

TRABALHOS DE ARTES

TRABALHOS DE ARTES
Profª Sandra e Profª Isabel

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Atividades de artes

"Não sabendo que era impossível, ele foi lá e fez." (lao Tsé)
"Sábio é o ser humano que tem coragem de ir diante do espelho da sua alma para reconhecer seus erros e fracassos e utilizá-los para plantar as mais belas sementes no terreno de sua inteligência". (Augusto Cury)

Florescer e se redescobrir!

Florescer e se redescobrir!

Planeta Terra

PARA PENSAR...

"... A minha contribuição foi encontrar uma explicação segundo a qual, por trás da mão que pega o lápis, dos olhos que olham, dos ouvidos que escutam, há uma criança que pensa" (Emília Ferreiro)

"Professor bom não é aquele que dá uma aula perfeita, explicando a matéria. Professor bom é aquele que transforma a matéria em brinquedo e seduz o aluno a brincar. Depois de seduzido o aluno, não há quem o segure”
(Rubem Alves)

"Quanto mais nos elevamos, menores parecemos aos olhos daqueles que não sabem voar." Nietzsche
Só há duas opções nesta vida: se resignar ou se indignar. E eu não vou me resignar nunca.
Nunca devemos esquecer que arte não é uma forma de propaganda,é uma forma de verdade. ( John Kennedy)
“Brincar não é perder tempo, é ganhá-lo. É triste ter meninos sem escola, mas mais triste é vê-los enfileirados em salas sem ar, com exercícios estéreis, sem valor para a formação humana" Carlos Drummond de Andrade

Integridade é o que fazemos, o que dizemos e o que somos de verdade!

IMAGINAÇÃO É O COMEÇO DA CRIAÇÃO,NÓS IMAGINAMOS O QUE DESEJAMOS,SOMOS O QUE IMAGINAMOS E CRIAMOS O QUE SOMOS.

Show de espetáculo,vale conferir...lindo!

"O saber "entra" pelos sentidos e não somente pelo intelecto". (Frei Betto)

Sincronismo da vida!

" A Honestidade é o Mais Valioso Tesouro Espiritual..."

SONHOS...

blog coisas miudas

VÍDEO DEMONSTRATIVO DO MEU NOVO PROJETO DE TRABALHO

BLOG EDUCACIONAL

CORAÇÃO/SONHOS

o louco que ainda me resta!

PROJETO BUCAL, filme youtube feito por mim!

Bem vindos ao Blog

Segredo...

"Se você abre uma porta, você pode ou não entrar em uma nova sala. Você pode não entrar e ficar observando a vida. Mas se você vence a dúvida, o temor, e entra, dá um grande passo: nesta sala vive-se ! Mas, também, tem um preço... São inúmeras outras portas que você descobre. Às vezes curte-se mil e uma. O grande segredo é saber quando e qual porta deve ser aberta. A vida não é rigorosa, ela propicia erros e acertos. Os erros podem ser transformados em acertos quando com eles se aprende. Não existe a segurança do acerto eterno. A vida é generosa, a cada sala que se vive, descobre-se tantas outras portas. E a vida enriquece quem se arrisca a abrir novas portas. Ela privilegia quem descobre seus segredos e generosamente oferece afortunadas portas. Mas a vida também pode ser dura e severa. Se você não ultrapassar a porta, terá sempre a mesma porta pela frente. É a repetição perante a criação, é a monotonia monocromática perante a multiplicidade das cores, é a estagnação da vida... Para a vida, as portas não são obstáculos, mas diferentes passagens! BEM VINDOS AO MEU BLOG SANDRA BARRETO
Topo